l3

Os 9 Melhores Métodos para o Tratamento da Disfunção Erétil

Este tópico é um grande tabu para muitas pessoas e a maioria dos homens afetados por este problema não gostam de falar sobre ele. Por isso estima-se que a disfunção erétil na realidade afete muitos mais homens, principalmente com idade superior a 40 anos, do que na realidade as estatísticas mostram, pois é um problema que infelizmente é muito comum nos homens mais velhos.

Um estudo realizado na universidade de Massachusetts demonstrou que a disfunção erétil afeta cerca de 52% dos homens entre os 40 e os 70 anos. Outro estudo realizado na Suíça demonstrou que cerca de 350.000 homens, incluindo muitos com idade inferior a 40 anos, sofrem regularmente ou de forma crónica com esta doença.

A verdade é que a função erétil e a capacidade de manter uma ereção forte o suficiente para concluir com êxito as relações sexuais declina consideravelmente com a idade, mas é muito relativo e também afeta muitos jovens. Os jovens têm ainda mais vergonha de abordar este assunto, mesmo perante um médico.

O sofrimento que a disfunção erétil causa é muito pessoal. Alguns dos meus pacientes na casa dos 40 anos preferiam abdicar de ter relações do que procurar tratamento para a disfunção erétil. Só resolveram procurar ajuda devido à forte insistência das suas companheiras. Em contraste, um paciente com mais de 90 anos quando começou a ter problemas de ereção não hesitou em procurar ajuda, pois o sexo ainda é muito importante para ele.

Informação mais detalhada sobre a disfunção eréctil.

Antes de estudar os métodos de tratamento conheça neste breve resumo um pouco melhor o que é esta doença, os diferentes tipos existentes e as causas mais comuns.

O que é exatamente a disfunção erétil?

A disfunção eréctil é muitas vezes chamada na gíria de impotência, o que está errado, pois a impotência descreve varios problemas sexuais para além da simples disfunção erétil.

O que é a disfunção erétil?Embora na linguagem comum a disfunção erétil continue a ser confundida com impotência a verdade é que esta ultima denomina a incapacidade física total de conseguir ter relações sexuais e a disfunção erétil é a incapacidade de conseguir manter uma ereção suficientemente firme para as relações sexuais na maioria das vezes, e pode ter causas ficas e/ou psicológicas.

Embora a disfunção erétil seja muito mais comum nos homens velhos, a verdade é que cada vez afeta homens mais novos. Normalmente a causa está na vida quotidiana estressante que os homens levam e que acaba por afetar a sua sexualidade. O problema é que esta doença, seja ela qual for a causa, afeta fortemente a psicologia e leva a uma perda da autoconfiança.

Isto cria um ciclo vicioso que se não for tratado pode levar a fortes impactos negativos na vida sexual do homem, ou mesmo do casal, acabando muitas vezes em dolorosas separações. Por isso, se começas a sentir sintomas de alguma dificuldade para obteres ou conseguires manter uma ereção deves procurar tratamento o mais rápido possível.

Neste artigo vou-te mostrar os melhores tratamentos para eliminares os sintomas da disfunção erétil. Continua a ler que já lá chegamos.

Causas da disfunção erétil.

Mesmo que do ponto de vista físico estejam reunidos todos os requisitos para se ter uma ereção completa, razões psicológicas, como a depressão, o estresse e a ansiedade podem impossibilitar uma ereção. Uma das causas psicológicas da disfunção erétil está na ansiedade de desempenho (medo de falhar) que leva a que muitos homens não consigam obter uma ereção completa, principalmente quando estão numa relação nova ou com uma parceira que seja muito exigente ou os intimide por qualquer motivo.

O estresse que se pode ter no trabalho, na vida pessoal ou mesmo na própria relação é outra das grandes causas da disfunção erétil. Eventos que possam diminuir a sua autoestima podem igualmente causar esta embaraçosa situação.

Ao contrario da disfunção erétil física, que se deve principalmente a problemas de circulação sanguínea ou problemas do coração, que tornam difícil fazer chegar a quantidade de sangue adequada ao pénis para se conseguir obter uma boa ereção, e que atinge por norma homens mais velhos, a disfunção erétil psicológica é mais comum nos homens novos. Muitas vezes bastante jovens, devido à sua inexperiência.

No entanto, não apenas os problemas psicológicos, mas os próprios medicamentos utilizados para o tratamento dessas doenças são por vezes a causa de muitos problemas de disfunção erétil. Os remedios para a depressão, os calmantes e os remedios para dormir, afetam fortemente a capacidade para se conseguir obter ou manter uma ereção.

Se tens menos de 40 anos e tens sintomas de disfunção erétil é muito provável que seja derivado a algum dos problemas psicológicos abordados anteriormente, ou de algum remedio que estejas a tomar para algum destes problemas. Se tens mais de 50 anos e só agora começaste a sentir sintomas de disfunção erétil, embora seja possível que se deva também a problemas psicológicos, é grande a possibilidade de ser derivada a problemas físicos, ou uma mistura de ambos.

A boa notícia é que tanto num caso como no outro a cura é possível. Existem tratamentos que podes experimentar e que funcionam para ambos os casos. A seguir vou-te indicar os tratamentos para a disfunção erétil mais eficientes.

Tratamentos naturais para a disfunção erétil.

Vamos começar pelos tratamentos naturais, que devem ser sempre a primeira escolha antes de optar por métodos mais agressivos e potencialmente mais perigosos, ou que possam causar efeitos secundários desagradáveis.

1. Tratar Disfunção erétil com vitaminas e minerais.

Vitamina B6, B9 e B12: O aminoácido homocisteína é muitas vezes derivado de uma alimentação pouco saudável, demasiado rica em carnes vermelhas e fraca em vegetais e outros alimentos pobres em vitaminas do grupo B, e é muito perigoso, pois entra na corrente sanguínea e ao longo do tempo pode danificar as paredes dos vasos sanguíneos e levar a vários problemas de circulação sanguínea e mesmo a ataques cardíacos e a trombose.

A homocisteína contribui para o desenvolvimento de doenças circulatórias e, devido a um fluxo de sangue mais fraco, pode causar disfunção erétil de origem física. Algumas vitaminas do complexo B (acido fólico) indicadas acima promovem a decomposição deste subproduto metabólico nocivo e podem ajudar a combater o surgimento da disfunção erétil e ajudar a tratar também outros problemas cardíacos associados.

vitaminasVitamina C: Está comprovado que esta vitamina ajuda a manter as paredes dos vasos sanguíneos suaves e flexíveis. Previne problemas circulatórios e evita assim possíveis causas físicas da disfunção erétil.

Vitamina E: É conhecida como um antioxidante lipossolúvel que promove a saúde vascular. Juntamente com as vitaminas A e C, é um poderoso antioxidante que combate o ataque das moléculas agressivas de oxigénio às células, promovendo uma melhor circulação sanguínea e um sistema imunitário mais saudável, evitando várias possíveis doenças que possam vir a afetar a sexualidade do homem.

Zinco: Para além do seu envolvimento direto em 200 enzimas, o zinco está também particularmente envolvido na produção da hormona sexual testosterona, que muitos homens que sofrem de disfunção erétil costumam ter valores baixos.

A deficiência de zinco tem um efeito duradouro numa libido baixa e, portanto, sobre a função eréctil. Os níveis de testosterona e a libido masculina diminuem com a idade, pelo que é mais comum nos homens com mais de 50 anos, embora por vezes também afete homens mais novos. Para prevenir uma deficiência de zinco, recomenda-se uma dose diária de 10 a 15 mg de zinco, o que é facilmente obtida com uma alimentação saudável, mas que pode também ser compensada com suplementos, tal como as vitaminas descritas acima.

2. Tratar disfunção erétil com extrato de casca de pinheiro.

O extrato de casca de pinheiro bravo é versátil. Tem propriedades antioxidantes e suporta a produção de NO (oxido nítrico) ao formar enzimas que promovem o dilatamento das paredes dos vasos sanguíneos, principalmente na zona genital e é assim um forte impulsionador de boas ereções.

Alguns estudos em doenças crónicas verificaram a ligação do extrato de casca de pinheiro no tratamento da disfunção erétil e outras doenças cardiovasculares com resultados muito interessantes.

Os participantes num dos estudos, que tinham problemas em obter ou manter uma ereção, receberam inicialmente apenas L-arginina durante um mês. Depois L-arginina e 80 mg de extrato de casca de pinheiro diariamente durante o segundo mês. No terceiro mês receberam L-arginina e 120 mg de extrato de casca de pinheiro por dia.

Os resultados foram muito convincentes: na combinação de arginina e 80 mg de extrato de casca de pinheiro, 80% dos participantes relataram uma função sexual normal após o tratamento. A toma de uma dose de 120 mg de extrato de casca de pinheiro aumentou a proporção de homens com função eréctil normal para 92%.

Embora este estudo não possa concluir que a casca de pinheiro bravo possa ser uma cura efetiva para a disfunção erétil, os seus excelentes resultados na promoção de melhores ereções podem indicar que poderá ser benéfico igualmente para homens com disfunção erétil, tanto de origem física como psicológica. A melhor forma de o tomar como remédio caseiro contra a disfunção erétil é usá-lo como chá, onde se deixa as cascas a ferver durante alguns minutos. Também pode ser adquirido sob a forma de suplemento.

3. Melhorar a Disfunção erétil com exercícios.

exercicios músculo PCAlguns problemas de ereção podem ser resolvidos, ou pelo menos minorados, com o recurso a exercícios específicos para esse fim. Os exercícios podem melhorar a circulação sanguínea, aumentar o fornecimento de oxigénio ao pénis e fortalecer os músculos especiais do pavimento pélvico, os chamados músculo PC.

Embora os exercícios não constituam uma cura para a disfunção erétil podem ajudar a melhorar as ereções nos homens que começam a sentir os primeiros sintomas e assim impedir que ela se venha a instalar. Apenas alguns minutos por dia podem ajudar a fortalecer o musculo PC e assim ajudar a obter ereções mais fortes em pouco tempo.

Um fator decisivo para o desenvolvimento da disfunção eréctil é a redução a longo prazo do fornecimento de sangue e oxigénio ao pénis. Isto leva a um processo de remodelação do tecido peniano, que a longo prazo pode levar a problemas de ereção. Os exercícios melhoram o fornecimento de sangue e oxigénio ao pénis, retardando o acontecimento.

4. Utilização de remédios naturais para a disfunção erétil.

De todos os tratamentos naturais para a disfunção erétil o melhor e mais simples é a toma de um bom remédio natural. Os remédios naturais, feitos com extratos de ervas que ajudam a promover melhores ereções, e vitaminas e minerais que promovem uma melhor saúde peniana e uma melhor circulação do sangue, é o melhor método para o tratamento da disfunção erétil, principalmente dos casos recentes ou menos graves. Melhor e mais seguro, pois não causam os efeitos secundários que os medicamentos para esta finalidade apresentam e podem ser tomados por qualquer homem, por longos períodos de tempo, sem preocupação.

Têm ainda a vantagem de serem efetivos tanto no combate da disfunção erétil física como na psicológica. Pois para além de ajudarem a combater os problemas físicos que impedem uma ereção, funcionam também para controlar os efeitos psicológicos, como a ansiedade e o estresse, que são grandes responsáveis por esta doença, principalmente nos homens com menos de 50 anos.

Tratar Disfunção erétil com remédios naturaisO remédio natural que aconselho quando clicas no botão mais abaixo foi especialmente concebido para combater a ansiedade e estresse geral, que impedem uma boa ereção, a ansiedade de performance (medo de falhar), assim como promover uma melhor circulação sanguínea. É um dos melhores do mercado, que aborda tanto os problemas que afetam os homens mais novos, como os que afetam os homens mais velhos. Clica para no botão para mais informações.

Os remédios naturais são mais eficientes que os remedios caseiros, pois para além de conterem uma dose estudada para serem eficientes sem causar efeitos secundários, são muito mais simples de tomar que preparar várias infusões, que quando em doses erradas podem interferir umas com as outras e causar alguns efeitos secundários pouco agradáveis.

Uma grande vantagem em relação aos medicamentos é que não é preciso programar o sexo para tomar o medicamento uma ou duas horas antes de cada ato, pois como são tomados todos os dias as ereções ocorrem naturalmente quando há estimulação.

Se começas a sentir problemas em obter ou conseguir manter uma boa ereção esta deve ser a tua primeira escolha, antes de tentares tratamentos mais agressivos, que podem causar outros problemas de saúde a longo prazo.

5. Tratar Disfunção erétil com terapia sexual.

Para homens com disfunção eréctil psicologicamente induzida, o sexo está frequentemente associado à pressão para atuar e ao medo de falhar. Cada tentativa falhada de fazer amor aumenta ainda mais a tensão. Na terapia sexual, homens e mulheres começam a falar das suas dificuldades e de suas atitudes, perante um profissional que os orienta, para reduzirem a pressão ou ansiedade que sofrem ou causam ao outro (mesmo que involuntariamente).

É particularmente adequada para o tratamento da disfunção eréctil psicologicamente induzida, que representa cerca de 20% de todos os casos de disfunção eréctil e mais de 50% nos homens com menos de 40 anos.

A regra básica quando se pratica esta terapia é olhar para o ato em si próprio, apreciar o toque ou carícia sem ter em conta a sua parceira. Muitos homens concentram toda a sua atenção nas mulheres durante as relações sexuais, e são totalmente absorvidos pela ideia de as levar ao orgasmo. Esta atitude pode causar estresse e conduzir facilmente à disfunção eréctil. Portanto, o objetivo da terapia sexual é permitir que os homens possam conjugar os desejos de ambos sem pressa nem ansiedade, de modo a que a ereção apareça naturalmente.

Os homens que são classificados pelos médicos como tendo disfunção eréctil física também são elegíveis para a terapia sexual. Isto porque quase todos os casos de disfunção eréctil, independentemente da causa, conduzem efetivamente a uma tensão psicológica e de parceria considerável. Em muitos casos, faz sentido combinar um remédio natural e terapia sexual, de modo a conseguir combater a disfunção erétil sem necessidade de recorrer a remedios químicos ou outros tratamentos mais agressivos.

Tratamentos medicinais para a disfunção erétil.

No entanto, para os homens que sofrem de disfunção erétil grave, ou à muito tempo, e que depois de experimentarem os tratamentos naturais chegam à conclusão que estes já não são suficientes para resolver o problema, existem alguns remedios químicos e outros procedimentos cirúrgicos que podem ajudar a resolver o problema da disfunção erétil e que podem ser tomados em conjunto com remédios naturais ou isolados.

6. Utilização de medicamentos para a disfunção erétil.

medicamentos para a disfunção erétilOs medicamentos mais conhecidos para o tratamento da disfunção erétil envolve a utilização de inibidores de PDE-5. Mas estes medicamentos só podem ser utilizados se tiver disponível uma receita médica válida, pois podem provocar efeitos secundários perigosos em homens que sofram com algumas patologias relacionadas com a cardiologia. Deve manter-se afastado de citações sobre este tipo de medicamentos que existe na Internet, pois é tudo falso.

Em 1998, a Pfizer Pharmaceuticals lançou o medicamento Viagra, que mudou fundamentalmente o tratamento da disfunção eréctil nos homens. O princípio ativo no Viagra, sildenafil, pertence a este grupo de medicamentos, chamados inibidores de PDE-5. Estas substâncias têm o efeito de dilatar os vasos sanguíneos permitindo que o sangue chegue com mais facilidade ao pénis.

Para além deste medicamento original, que foi o primeiro, existe agora o genérico e medicamentos recentemente desenvolvidos que diferem, principalmente, no início e duração da ação, bem como nos possíveis efeitos secundários e na forma como devem ser tomados.

Devido ao sucesso do Viagra, outros ingredientes ativos dentro do mesmo tipo de atuação, e outros medicamentos para o tratamento da impotência apareceram no mercado nos últimos 15 anos com algum sucesso. Embora nenhum tenha conseguido ultrapassar o sucesso que o primeiro teve e ainda tem.

Aviso sobre o perigo dos inibidores de PDE-5.

Nem todos os homens com disfunção eréctil podem ser tratados com inibidores de PDE-5. A insuficiência cardíaca óbvia, AVC e doenças cardiovasculares graves proíbem o uso de drogas potenciadoras. Quando os inibidores de PDE-5 e os medicamentos para angina de peito são tomados ao mesmo tempo, a dilatação dos vasos pode levar a uma queda da pressão sanguínea com risco de vida.

Todos eles têm no entanto o problema de obrigarem a uma planificação do ato sexual, pois têm que ser tomados algum tempo antes de modo a fazerem efeito na hora H, e não podem ser tomados diariamente devido aos potenciais efeitos secundários e ao elevado preço.

Outro problema é que embora os inibidores de PDE-5 possam funcionar no caso da disfunção erétil psicológica, nomeadamente a ansiedade de desempenho, pois ajudam a melhorar a autoconfiança, não são tão eficientes nestes casos como são os remédios naturais, pois em algumas vezes funcionam, mas em outras não. Quem sofre com este problema, mesmo com a sua toma, nem sempre consegue obter uma boa ereção.

7. Tratar a disfunção erétil pelo aumento da testosterona.

Em casos raros, a disfunção eréctil é causada por uma deficiência da hormona masculina testosterona. Os inibidores de PDE-5 não têm efeito ou têm apenas um efeito muito fraco quando a causa é esta, porque estes medicamentos não promovem uma ereção por si mesmo. Precisam de estimulação sexual para funcionarem. E quem tem uma libido baixa, devido a baixos níveis de testosterona, não consegue se excitar o suficiente para manter a ereção o tempo necessário.

Neste caso é preciso elevar os níveis de testosterona para aumentar a libido e excitar o homem sexualmente mais facilmente. Por norma os remédios naturais para a disfunção erétil já têm ingredientes afrodisíacos, que atuam neste campo, e também existem alguns específicos para aumentar naturalmente os níveis de testosterona.

Também é possível aumentar os níveis de testosterona utilizando testosterona sintética, por norma em pensos que se colam no pénis (pouco utilizados) ou com injeções de testosterona sintética. A reposição hormonal de testosterona com injeções de testosterona sintética tomadas regularmente funciona muito bem, mas deve ser sempre acompanhada por um médico, pois níveis demasiado altos são também muito prejudiciais. E tem o inconveniente que quando o corpo se habitua a estas injeções deixa de produzir a sua própria testosterona.

Isto faz com que a produção de testosterona, já por si deficiente, deixe de se produzir por completo, o que leva a que quando se opta por este tratamento, por norma, seja uma coisa para tomar regularmente para o resto da vida.

Dica para aumentar testosterona naturalmente.

Antes de seguir pelo caminho da reposição hormonal de testosterona experimente um impulsionador natural. Que irá incentivar o organismo a produzir mais testosterona naturalmente.

Isto pode-se conseguir utilizando remédios naturais para a disfunção erétil, como o que recomendamos no botão mais abaixo, ou remédios naturais próprios para impulsionar a produção de testosterona, e através de alguns alimentos como as ostras, o chocolate, peixes ricos em Omega3 e alguns frutos, como a romã, a melancia e o abacate, e também com exercícios de força (musculação).

Só se desta maneira não funcionar é que se deve falar seriamente com um médico para examinar a possibilidade da reposição hormonal de testosterona.

8. Tratar Disfunção erétil com recurso à cirurgia.

Tratar Disfunção erétil com recurso à cirurgiaHoje em dia, a cirurgia para melhorar a função eréctil é um último recurso e só é considerada quando outras opções de tratamento são descartadas ou os resultados não são bons. Isto acontece, por exemplo, quando os danos orgânicos que causam a impotência, por norma atrofia dos vasos sanguíneos, são muito grandes e apenas podem ser reparados com cirurgia. Ou a pessoa afetada não pode utilizar outros métodos, por exemplo porque não pode tolerar a medicação devido a outros problemas de saúde.

A cirurgia para restaurar a função eréctil é um processo estressante, que requer cuidadosa consideração. Nestes casos, uma discussão detalhada entre médico e paciente (e parceira, se aplicável) é muito importante antes de se tomar uma decisão tão drástica.

Existem normalmente dois métodos cirúrgicos para tratar a disfunção erétil. O primeiro método envolve a melhoria do fornecimento de sangue rico em oxigénio ao pénis com a ajuda de vasos sanguíneos adicionais - como na cirurgia de by-pass do coração (cirurgia de revascularização).

O segundo método consiste em reduzir a saída de sangue hipóxico do pénis (cirurgia venosa). O método utilizado depende principalmente da causa orgânica da disfunção eréctil. No entanto, ambos são apenas adequados para uma proporção relativamente pequena de pacientes. Além disso, podem causar problemas, especialmente a longo prazo.

9. Tratar Disfunção erétil uma com prótese peniana.

Se as opções de tratamento mencionadas até agora não tiverem sucesso, a última opção é a implantação cirúrgica de uma prótese no interior do pénis.

Um método que consiste em que parte do tecido eréctil seja substituído por material semirrígido, em que o pénis fica sempre ereto. Embora o pénis fique sempre ereto é possível colocá-lo em posições que não causam desconforto nas tarefas do dia a dia e permite relações intimas com conforto e prazer.

O outro utiliza próteses infláveis e é possível ativar e desativar a prótese do corpus cavernosum através de um mecanismo de válvula e assim controlar a ereção só para o momento que se quer ter relações. Este segundo método de tratamento da disfunção erétil é mais confortável para o dia a dia, mas dá mais trabalho sempre que se quer ter relações.

É preciso ter em atenção que este é o chamado fim de linha no tratamento da disfunção erétil, pois estas cirurgias são irreversíveis. É preciso uma longa conversa com o médico urologista que o esteja a seguir e ter a certeza que todas as outras opções já foram consideradas inúteis antes de avançar para esta última e derradeira hipótese.

Conclusão.

Como podes ver há muitas opções de tratamentos possíveis se sofres de disfunção erétil ou não consegues obter ou manter uma ereção digna desse nome com frequência. Cada uma tem os seus prós e contras, mas é importante frisar que antes de se recorrer a remedios químicos, com os seus possíveis efeitos secundários, e principalmente aos métodos cirúrgicos, deves experimentar os métodos naturais que aqui indico e que quanto mais cedo começares o tratamento melhores resultados vais obter.

O tratamento da disfunção erétil é possível, mas alguns dos tratamentos são muito intrusivos, pelo que deves começar pelos métodos naturais mais simples, e só passar para os métodos químicos ou cirúrgicos se não conseguires manter uma atividade sexual satisfatória e, nesse caso, apenas com o acompanhamento de um médico especialista, que te acompanhe e aconselhe sobre as diferentes opções que podes tomar.

Pedro Pinto   Autor: especialista em problemas sexuais masculinos.
 
Artigos Relacionados